Pelas Pessoas a Quem Tivemos Afeição

Dignai-vos, ó meu Deus, acolher favoravelmente a prece que vos dirijo neste momento pelo espírito de [Nome…]; fazei-lhe entrever as vossas divinas claridades, e lhe tornai fácil o caminho da felicidade eterna. Permiti que os bons Espíritos levem a ele as minhas palavras e o meu pensamento.

Tu que me eras caro neste mundo, ouve minha voz que te chama para te dar um novo testemunho da minha afeição. Deus permitiu que fostes libertado primeiro; eu não poderia me lamentar com isso, sem egoísmo, porque seria estar aflito por não ter mais para ti as penas e os sofrimentos da vida. Espero, pois, com resignação, o momento de nossa reunião no mundo mais feliz.

Eu sei que nossa separação não senão momentânea, e que, tão longa que me possa parecer, a sua duração se apaga diante da eternidade da felicidade que Deus promete aos seus eleitos. Que a sua bondade me preserve de nada fazer que possa retardar esse instante desejado, e que me poupe assim a dor de não te reencontrar em meu cativeiro terreno.

Oh! como é doce e consoladora a certeza de que não há entre nós senão um véu material que te oculta à minha visão! que tu possas estar aqui, ao meu lado, ver-me e ouvir-me como antigamente, e melhor ainda do que antigamente; que não me olvideis mais, e que eu mesmo não te olvide; que os nossos pensamentos não cessem de se confundir, e que o teu me siga e me sustente sempre.

Que a paz do Senhor seja contigo.