Livre Arbítrio e Reencarnação

Você já se pegou pensando sobre as suas provas e expiações? Já tentou imaginar o que você teria feito de errado para passar pelos momentos que está passando, ou então pensando sobre as pessoas que te fazem mal, ainda que você seja gentil com elas?

A resposta tem a ver com nós mesmos e nossas existências e escolhas do passado. A compreensão de quanto as nossas escolhas nos afetam no presente e no futuro é a melhor maneira de compreendermos o mecanismo de evolução espiritual. Afinal de contas, se você sabe que algo que está fazendo hoje pode poupar ou acrescentar uma nova existência mais penosa, isso mudará sua maneira de pensar e agir.

O livre arbítrio e a reencarnação, embora conceitos diferentes estão intimamente ligados. Enquanto o livre arbítrio é a faculdade do espírito de fazer suas escolhas seja na vida carnal ou na vida espiritual, a reencarnação é o mecanismo pelo qual o espírito tem de aperfeiçoar sua existência, corrigindo os erros e faltas cometidas em vidas passadas ou para auxiliar espíritos irmãos na caminhada rumo aos mundos mais desenvolvidos.

A relação íntima entre estes conceitos diferentes está no fato de que o livre arbítrio impacta diretamente na quantidade e qualidade das reencarnações. Se os acontecimentos das vidas passadas fornecem as provas desta nova vida, seu livre arbítrio, em outros tempos, foi fundamental para a construção da sua nova existência, através das provas e expiações pelas quais você deve passar.

O Senhor, em sua infinita bondade, não obriga os espíritos a nada, apenas dá a eles a ciência das leis divinas e oferece a vida e a felicidade eterna nos mundos espirituais mais desenvolvidos. Porém, a escolha do que fazer durante a vida carnal é sempre do espírito, a maior prova da liberdade que Deus dá aos seus filhos é o Livre Arbítrio.

Já a maior recompensa para aqueles que fizeram más escolhas, através de seu livre arbítrio, é a reencarnação. A Cada nova vida, os espíritos têm a possibilidade de se redimir e curar as feridas deixadas em vidas passadas. Cada nova reencarnação oferece uma chance de reconciliação com antigos inimigos espirituais, familiares, algozes e vítimas que possivelmente tivemos ou fizemos em outras oportunidades.

Talvez o maior exemplo da relação de livre arbítrio e reencarnação seja o caso dos suicidas. Ao contrariar as leis divinas, tirando a sua própria vida, esses espíritos experimentam os sofrimentos intermináveis de interromper o processo de cura, que é a vida de provas e expiações. Além de suas próprias faltas, no mundo espiritual ele encara falanges de espíritos inferiores que se alimentaram de seus sofrimentos e também daqueles que dependiam de sua existência terrena para alcançarem patamares de elevação moral melhores. O suicida acaba fazendo o pior uso possível do livre arbítrio.

Neste momento, a reencarnação é a única saída para que aquele suicida, juntamente com seus inimigos espirituais e os que vivem na erraticidade e desejam uma evolução. A reencarnação é a nova oportunidade de gozar da mesma ferramenta poderosa de existências anteriores: O Livre Arbítrio. Bastando a estes espíritos arrependimento e fé na felicidade do mundo espiritual, suportando as decepções da vida terrena e fazendo as escolhas certas na caminhada rumo à salvação.

É importante destacar que o livre arbítrio não é prerrogativa de apenas dos espíritos encarnados, quando vivemos em espíritos apenas, podemos, por iniciativa própria, solicitar uma nova reencarnação, ainda que seja para servir de suporte a entes queridos que serão lançados em uma vida de sofrimento por suas faltas cometidas. Neste momento a misericórdia divina pode tornar possível que auxiliemos nossos espíritos irmãos rumo à luz, durante as novas provas e expiações pelas quais passarão.

Veja que a própria reencarnação é uma escolha do próprio espírito. Deus não obriga os espíritos a reencarnar, mas dá a eles essa possiblidade para que, evoluindo moralmente, eles possam enfim sair das sombras. Longe das trevas, nenhum espírito teme o livre arbítrio ou a reencarnação, pois o nível de consciência moral é muito elevado e vive-se livre das vicissitudes dos mundos inferiores.

No final as contas, quando falamos em felicidade eterna, aquela que Deus nos prometeu e não é deste mundo de provas e expiações, estamos falando sobre a necessidade de fazer boas escolhas em cada uma das existências. Essa evolução nos credencia a ascender a mundos cada vez mais depurados.

E o que Deus deseja a todos os seus espíritos, Ele espera que nós compreendamos que a reencarnação é nossa oficina e o livre arbítrio é nossa ferramenta de trabalho. Podemos escolher seguir o caminho correto, ainda que a existência seja penosa.


Que a Paz do Senhor Seja Contigo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *